• #LiLifestyle #LiMomToBe

BABY'S EMOTIONS: YES, BOYS CAN CRY, FOR SURE!


The other day, strolling through the Instagram feed, I came across a post from a young mother commenting, very proud, an episode of her beautiful baby: “Baby X just take vaccine and didn't cry because boys don't cry."

I never agreed with that culture, that men don't cry. It's a mistake, and the worst thing is that men are growing up in this way, repressing their emotions and, may, when teenagers and adults present psychological problems, such as social phobia, panic attacks and even depression.

Just for you have an idea, according to studies by the World Health Organization, the number of men who commit suicide is incredibly higher, than women. And, the explanation is the fact that men have difficulty to get help to the first symptoms of depression, they consider the diseases of the mind as signs of weakness, because they grew up listening to the damn sentence: boys do not cry!

So, it is up to us as parents, be attentive to what we show to our children. So, there are some important points about baby’s emotions:


1-the baby cries in the uterus. Since in the belly, the baby begins to relate emotionally, with mom and dad. The reactions to stress and serenity of the mother and the father's voice are ways of this interaction. It is therefore very important to pay attention to our emotions.


2-the birth is the magical moment for baby's emotions: the period of adaptation to the outside world is important. He needs to feel accepted. After a few weeks, he smiles for the first time.


3-recognition: when he starts to fix the face of mom and dad, his eyes light. This meant that the little one already look, acknowledges and follows the parents. In the absence of them, along with some discomfort, such as pee, POO or hunger, he cries. We need to find always the cause of crying: If discomfort physical or if the environment is polluted (light, Sun, humidity, wind, noise, etc.) and determine the service in more or less time. Slowly the baby will discover ways to calm down alone, without the adult run immediately.


4-crying is normal and healthy: as much as the crying is a sign that something might not be right. It is also a way of baby express his emotions and desires. A baby always passive and quiet, can also be a sign that something is not right. Healthy baby cries. And, learn quickly that his crying brings someone. He wants people to interact and mature his emotions. Crying is human and healthy. A child that is not expressed by crying develops a lot of repression, anger, sadness, permanent passivity and depression.


5-language: the thrill of newborns begins when parents use a gentle and delicate language, full of special sounds and noises with their hands when they go for him. Many repetitions gestures and facial expressions help the baby to recognize and wait for them again. So, smile and cry are the ways with he communicates.


6-Attention and understanding: the faces that parents are singing merrily, develop attention and understanding to the little one. Repeat songs with gestures is important for him to want to participate, on his way, bobbing, emitting sounds and moving the hands.


7-the verbal and physical loving contact: many babies cry more than interact with pleasure, because they are missing physical contact and verbal kind. They need that change with adults and, if they do not experience this a lot, tend to cry and scare themselves more often. When parents have reactions of disinterest, sadness or anger, the baby reacts with negativity. In this case, all the strange noises (horns, screaming, voices, beats and laughter) take him to react crying. But, it's not the baby who is a "crying man", it is the constant lack of affective attitudes of adults.


8-the estate of mind of the children in general is the result of the quality of the relationship with their carers.


9-the comfort is worth the ride. It is the parent function show the baby, he can pass the bustle with cries for calm, welcoming for a hug, with fewer words and more tranquillity in the environment. Calm is not vigorously balance, but gently cradling, by physical contact, low voice even though he's for crying out loud.


10-as children grow up is necessary that the adults don't have that kind of understanding: girls cry because they are sensitive and boys cannot cry because they are men. Crying is an expression to be accepted and welcomed. Children need to express their disappointments, frustrations and sorrows. These feelings are universal and develop through growth, so it is important to deal with them early on.


11-The crying explosions are normal and acceptable. But, need to be controlled by the acceptance and understanding of the adult. How? Waiting for a while, with the focus on the child, serene and low voice, words of recognition: "I know you're angry, sad, tired, but now it ( the thing that the child wants) is not possible." We can use the "no" without problems, but we should support the child, embrace, hold his hand, or be very close to him and show that is no, but there is the acceptance of the moment of sadness and annoyance.


12-to strengthen emotional ties with the baby/child talk with him about what he's feeling, for example: _ you're tired, come into my lap, let's rest. Or: _ you're scared, come to Daddy, I help you. Etc, etc.


Some plays and interactions are very important in the development of emotions. We will talk about them in the next post!

I hope you enjoyed it! We're learning together.


AS EMOÇÕES DO BEBÊ: MENINOS CHORAM, SIM!


Dia desses, passeando pelo feed do Instagram, deparei-me com um post de uma jovem mamãe comentando, toda orgulhosa, um episódio do seu lindo bebê: “Fulaninho acabou de tomar vacina e não chorou, pois meninos não choram!”

Nunca concordei com essa cultura, de que homens não choram. É algo errado, atrasado, sem sentido e, faz um mal enorme aos homens, que foram criados dessa maneira. Por mais que ela seja dita em forma de brincadeira, muitos homens crescem reprimindo suas emoções e, podem, quando adolescentes e adultos apresentarem problemas psicológicos, como fobia social, síndrome do pânico e até depressão.

Só para vocês terem uma ideia, segundo estudos da Organização Mundial da Saúde, o número de homens que se suicidam é incrivelmente maior, que o de mulheres. E, pasmem, a explicação é pelo fato de os homens terem dificuldade de buscar ajuda aos primeiros sintomas de depressão, por encararem as doenças da mente como sinais de fraqueza, pois cresceram ouvindo a maldita frase: Meninos não choram!

Então, cabe a nós pais, ficarmos atentos ao que vamos passar às nossas crianças. Por isso, aí vão algumas pontos importantes, sobre as emoções do bebê:


1- O bebê chora no útero! Já na barriga, o bebê começa a se relacionar emocionalmente, com o papai e a mamãe. As reações aos estados de tensão e de serenidade da mãe e à voz do pai são formas dessa interação. Por isso, é muito importante prestarmos atenção às nossas emoções, para não passarmos irritação e estresse ao bebê.


2 - O nascimento é o momento mágico para as emoções do bebê: o período de adaptação ao mundo exterior é importantíssimo. Ele precisa se sentir acolhido. Após algumas semanas, ele sorri pela primeira vez!


3 - O reconhecimento: quando ele começa a fixar o rosto da mãe e do pai, os olhinhos se iluminam. Isso significava que o pequeno olha, reconhece e acompanha os pais. Na ausência deles, junto com algum desconforto, como por exemplo xixi, cocô ou fome, ele chora. Precisamos descobrir sempre a causa do choro: se é física ou desconforto de ambiente poluído (luz, sol, umidade, vento, barulho, etc) e determinar o atendimento em maior ou menor tempo. Aos poucos o bebê vai descobrindo formas de se acalmar sozinho, sem que o adulto corra imediatamente.


4 - O choro é normal e saudável: por mais que o choro seja um sinal de que algo pode não estar bem. Ele é, também, uma forma de o bebê manifestar suas emoções e vontades. Um bebê sempre passivo e silencioso, pode também, ser sinal de que algo não está bem. Bebê saudável chora! E, aprende, rapidamente, que o seu choro traz alguém. Ele quer pessoas para interagir e amadurecer suas emoções. Chorar é humano e saudável. Uma criança que não se expressa pelo choro desenvolve muita repressão, raiva contida, tristeza permanente, passividade e depressão.


5 - Linguagem: a emoção dos recém-nascidos se inicia quando os pais usam uma linguagem carinhosa e delicada, cheia de sons especiais e barulhos com as mãos ao se dirigirem a ele. Muitas repetições e gestos com expressões faciais ajudam o bebê a reconhecer e a esperar de novo. Então, sorrir e chorar são as maneiras com que ele se comunica.


6 - Atenção e compreensão: as caretas que os pais fazem cantando alegremente, desenvolvem a atenção e a compreensão do pequeno. Repetir versinhos com gestos é importante para que ele queira participar, ao seu modo, sacudindo-se, emitindo sons e mexendo as mãozinhas.


7 - O contato físico e verbal amoroso: muitos bebês choram mais do que interagem com prazer, pois sentem falta de um maior contato físico e verbal carinhoso. Eles precisam dessa troca com os adultos e, caso não vivenciem muito isso, tendência é chorarem e assustarem-se mais e com frequência. Quando os pais têm reações de desinteresse, tristeza ou raiva, o bebê reage com negatividade. Neste caso, todos os barulhos estranhos (buzinas, gritos, vozes, batidas e risadas) o levam a reagir chorando. Mas, não é o bebê que é “chorão”, e sim a falta constante de atitudes afetivas dos adultos.


8 - O estado de espírito do bebê - da criança em geral - é resultado da qualidade da relação com os seus cuidadores.


9 - O aconchego vale mais que o embalo. É função dos pais mostrar ao bebê, que ele pode passar da agitação com choro para a calma, acolhendo pelo abraço, com menos palavras e mais tranquilidade no ambiente. Acalmar não é embalar vigorosamente, e sim suavemente, pelo contato físico, voz baixa mesmo ele chorando alto.


10 - A medida que as crianças crescem é necessário que os adultos não tenham esse tipo de entendimento: meninas choram porque são sensíveis e meninos não podem chorar porque são homens. O choro é uma expressão a ser aceita e acolhida. As crianças precisam exprimir suas decepções, frustrações e tristezas. Esses sentimentos são universais e se desenvolvem através do crescimento, então é importante lidar com eles desde cedo.


11 - As explosões de choro dos pequenos são normais e aceitáveis. Mas, precisam ser controladas pela aceitação e compreensão do adulto. Como? Aguardando por um tempinho, com o foco na criança, voz serena, tom baixo, palavras de reconhecimento: “eu sei que estás bravo, triste, cansado, mas agora não é possível ( não posso dar o que você quer, etc).” Podemos usar o “NÃO" sem problemas, mas devemos apoiar a criança, abraçar, pegar na mão, ou ficar bem próximo, mostrando que é não, mas que há a aceitação do momento de tristeza e contrariedade.


12 - Para fortalecer os laços emocionais com o bebê/criança fale com ele sobre o que ele está sentindo, por exemplo: _ Você está cansadinho, vem para o meu colo, vamos descansar. Ou: _ Você está assustado, vem aqui que o papai te ajuda. Etc, etc.


Algumas brincadeiras e interações são muito importantes no desenvolvimento das emoções do bebê. Falaremos delas no próximo post!

Espero que tenham gostado! Vamos aprendendo juntos!

* Obrigada à minha sogra e vovó do Arthur: Leo Rudenco, que me ajudou com as dicas!


Recent Posts

See All